Educação em pauta

Imagem:  Sustentabilidade não é só reciclar: é uma nova forma de viver.

por Carolina Izabela Dutra de Miranda

Professor do Colégio Santo Agostinho

10/09/2018

Compartilhar

Sustentabilidade não é só reciclar: é uma nova forma de viver.

Em uma era em que a todo momento estamos em contato com notícias sobre desastres naturais e agressões ao meio ambiente, como as discussões acerca do Protocolo de Kyoto, desastres ambientais, como o rompimento da barragem de Mariana (MG) e os vazamentos de petróleo, torna-se urgente realizar uma orientação voltada para os nossos alunos e filhos sobre a necessidade de cuidado com o meio ambiente e com os recursos materiais. Há muitos momentos em que, ao ter contato com as notícias sobre tais impactos ambientais, acreditamos que a responsabilidade com o meio ambiente está apenas nas mãos das grandes empresas e de instituições governamentais. Entretanto, isso é um grande engano. Todos somos responsáveis pela preservação e respeito com o meio ambiente, já tão desgastado com tantos abusos. Além de realizar práticas sustentáveis, é necessário também transmitir aos nossos alunos e filhos a necessidade de refletir sobre a consciência ambiental e a forma com que cada um de nós pode contribuir para a preservação dos recursos naturais.

A ideia de sustentabilidade é baseada no princípio dos três R: reduzir, reutilizar e reciclar. Ou seja, reduzir o consumo de produtos que não podem ser reutilizados ou necessitam ser trocados por razões funcionais, como é o caso de celulares, eletrônicos e até mesmo de canudos que poluem o meio ambiente e nem sempre são de uso essencial. Reutilizar produtos que ainda têm vida útil ao invés de comprar produtos novos, como roupas que não são mais usadas que podem ser doadas, folhas de cadernos velhos que podem ser reutilizados ou até mesmo livros didáticos que podem ser revendidos ou doados a quem precisa, ao invés de serem descartados. Reciclar materiais que podem ser aproveitados por empresas e cooperativas, dando origem a novos produtos, evitando, dessa forma, a utilização de recursos naturais. A utilização dos Ecopontos ou URPV’s, em Belo Horizonte, é um exemplo. Vários bairros possuem sistema de coleta seletiva em dias alternados e há, inclusive, números de telefone para os quais se pode ligar quando é necessário descartar um móvel velho, por exemplo.

O instituto Akatu[1] sugere a inclusão de mais um R a esses princípios: repensar. Repensar nosso consumo, consumir menos, favorecer produtores de indústrias que adotam práticas sustentáveis, que não agridem a fauna e a flora, além de repensar nossas práticas de descarte no dia a dia. Repensar qual o destino final daquele produto que eu despejo na pia da minha casa ou daquele material que eu jogo na rua, quando estou com pressa, ao invés de guardar e descartar em casa, de maneira correta.

 

Consumir é inevitável, mas vivemos em uma sociedade em que, cada vez mais, o consumo tem sido visto como uma forma de alcançar a nossa felicidade. É necessária uma discussão mais ampla, em casa e na escola, sobre uma vida mais humana, sobre a valorização de nossos laços afetivos e momentos de vivência com nossos amigos e familiares. Não podemos nos adaptar à lógica de que o ser está associado ao ter. Somos muito mais do que aquilo que possuímos, e nossos jovens precisam da orientação da instituição escolar e das famílias sobre essa consciência, já que eles são frequentemente bombardeados com informações e estratégias de convencimento transmitidas por um sistema de consumo.

 

Países, como o Japão, são exemplos em higiene urbana e preservação de rios e matas, até em meio a centros urbanos. A primeira ideia que surge ao vermos esse exemplo é a de que a coleta de resíduos e o trabalho de limpeza das ruas é muito eficaz, mas, além disso, os japoneses pensam e repensam suas atitudes. As ruas e os rios não são limpos apenas devido a obras e políticas de limpeza urbana e de saneamento, mas também porque os cidadãos pensam duas vezes antes de jogar detritos  na rua ou antes de descartar resíduos em rios e outros ambientes. Para eles, ser sustentável é uma forma de vida e não uma obrigação alheia ao seu cotidiano.


Quase metade das tarefas feitas por pessoas poderão ser automatizadas
Não podemos nos adaptar à lógica de que o ser está associado ao ter.

Preocupados e engajados com essa nova responsabilidade educacional, o grupo GTEIA tem realizado o trabalho de formação e capacitação dos colaboradores do Colégio Santo Agostinho em relação a práticas sustentáveis que podem ser adotadas no cotidiano escolar. Essas ações são atualizadas de acordo com as novas necessidades e possibilidades de trabalho que promovam o respeito e a preservação ao meio ambiente no cotidiano escolar. A transmissão e troca de conteúdos associados à ecologia e à sustentabilidade são essencialmente trabalhados na escola. Ademais, discussões sobre formas de respeitar e colaborar com o meio ambiente são inerentes aos conteúdos e práticas pedagógicas das disciplinas lecionadas na instituição. Ações, como instalação de pontos de coleta seletiva; adoção de ecobags para levar os materiais aos ecopontos; criação de hortas que reaproveitam materiais orgânicos e são consumidos na escola; substituição de materiais descartáveis por matérias reutilizáveis - como o uso de canecas ao invés de copos de plástico, já fazem parte do dia a dia de várias unidades da instituição. A equipe do Colégio Santo Agostinho está continuamente pensando formas de despertar nos alunos a consciência da necessidade de práticas sustentáveis e de participar delas dentro da escola.

 

É necessário lembrar que a escola é um espaço de aprendizado e prática de respeito e preservação do meio ambiente e de cuidado com nosso espaço e com os outros seres vivos. Entretanto, é preciso dar continuidade a esse trabalho em casa, em nosso cotidiano, com a nossa família e com os nossos amigos. É preciso pensar que o mundo que construímos e preservamos hoje será o mundo que deixaremos de herança para nossos filhos e alunos amanhã. Faça a diferença!

 

1 - O instituto Akatu é uma organização não-governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o consumo consciente e a transição para estilos sustentáveis de vida. Acesse o site: https://www.akatu.org.br.